As vantagens do comércio

Hoje decidi trazer-vos o que considero ser uma das ideias mais geniais em economia: a vantagem comparativa, referida pela primeira vez por David Ricardo em 1817.

A forma mais fácil de vos apresentar esta ideia é por indução, i.e., a partir de um exemplo e depois generalizando.

Imaginem um casal, o Pedro e a Catarina, que repartem as tarefas do lar e querem terminá-las o mais depressa possível para poderem ir às compras (ou para namorar …). Para sermos mais concretos, as tarefas em causa são aspirar um quarto (AQ) e lavar a loiça (LL). Acontece, contudo, que a Catarina é melhor do que o Pedro a fazer qualquer uma das duas tarefas, i.e. consegue aspirar um quarto em menos tempo e consegue lavar a loiça também em menos tempo. O Pedro precisa de 20 minutos para aspirar um quarto (a Catarina fá-lo em apenas 10 minutos) e leva 40 minutos a lavar a loiça (enquanto a Catarina o consegue fazer em 30 minutos).

Será que o Pedro pode convencer a Catarina a ser ela a executar as duas tarefas porque, afinal de contas, ela é melhor que ele (usa menos recursos que, neste caso, é apenas o tempo despendido)? Se assim for, argumenta ele, podemos sair de casa daqui a 40 minutos (10+30). ‘Faz tu as duas coisas enquanto eu respondo ao meu email …’

Neste exemplo procura-se a solução mais eficiente, i.e. a melhor forma de organização que garante que as duas tarefas são executadas usando o mínimo possível de recursos (i.e. no mais curto espaço possível). Obviamente que ser a Catarina a única a trabalhar é tudo menos socialmente justo, mas foquemo-nos apenas na eficiência.

A maior parte das pessoas consegue, intuitivamente, perceber que uma pessoa deve especializar-se na tarefa onde esta é melhor, mas o que fazer quando a pessoa é mais produtiva em todas as tarefas, i.e. o que fazer quando a Catarina tem uma vantagem absoluta sobre o Pedro na execução das duas tarefas?

E é aí que entra a ideia de vantagem comparativa, que diz que cada pessoa se deve especializar na tarefa onde o seu custo de oportunidade é mais baixo. O que é que isso quer dizer, neste exemplo?

Para lavar um lote de loiça (LL) o Pedro precisa de 40 minutos. Se em vez de estar a lavar a loiça ele usar esse tempo para aspirar um quarto (AQ) ele poderá aspirar 2 quartos, em alternativa, porque leva 20 minutos em cada um. Logo, ao lavar um lote de loiça ele abdica de aspirar dois quartos. I.e., o custo (de oportunidade) de lavar um lote de loiça são dois quartos aspirados; é isso que o casal perde se for ele a lavar a loiça.

E se for a Catarina a lavar a loiça? A Catarina precisa de 30 minutos para lavar um lote de loiça, e com esse tempo poderia ter aspirado 3 quartos (porque leva apenas 10 minutos a aspirar cada um). Logo, ao lavar um lote de loiça, abdica-se de 3 quartos aspirados. Concluimos que o custo para o casal é maior no caso de ter a Catarina a especializar-se na lavagem da loiça.

O princípio da vantagem comparativa diz então, muito simplesmente, que deve ser o Pedro a lavar a loiça porque nesse caso apenas se perdem, em alternativa, 2 quartos aspirados em vez dos 3 quartos aspirados no caso de ser a Catarina a especializar-se nessa tarefa.

Ora vejamos o que acontece se o Pedro lavar a loiça e a Catarina aspirar o quarto. Nesse caso, saem de casa após 40 minutos, o tempo que o Pedro leva para lavar a loiça, mas durante esse tempo a Catarina terá aspirado a casa toda (os 4 quartos)!

Experimentem com outras afectações de tarefas e constatarão que esta alocação, que foi determinada usando o princípio da vantagem comparativa, é a que resulta no maior número de tarefas completadas no espaço de tempo mais curto (isto sim é eficiência!).

Este exemplo poderá parecer infantil, mas não o é. Podemos usá-lo para fundamentar, por exemplo, por que é que Portugal e os Estados Unidos têm trocas comerciais entre si, mesmo nos bens e serviços onde os Estados Unidos são melhores que Portugal na produção dos mesmos.

Como quase sempre em economia, voltamos aos fundamentos: os recursos (neste exemplo do Pedro e da Catarina) são escassos e, por isso, regras como o princípio da vantagem comparativa permitem que façamos o melhor uso deles com proveito para todos, sem termos de cair em situações insustentáveis para qualquer uma das partes, como seria o caso de ser a Catarina a fazer tudo em casa. 🙂

Para os mais curiosos, deixo aqui um link da OCDE sobre a vantagem comparativa.

Anúncios

Sobre Pedro G. Rodrigues

Professor no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa, doutorado em economia pela Universidade Nova de Lisboa. Email: pgr.economist@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Miscelâneo com as etiquetas , , , . ligação permanente.

2 respostas a As vantagens do comércio

  1. Pam diz:

    whoah this weblog is great i love reading your posts. Keep up the good work!
    You recognize, many persons are searching round for this
    info, you could aid them greatly.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s