Custo NÃO é rendimento!

Como noticia o Diário Económico hoje (ver este link), o Eurostat divulgou dados sobre o custo de cada hora trabalhada em 2011, em Portugal e noutros países Europeus.

O título da notícia é “Portugueses ganham três vezes menos do que os Franceses” mas este título NADA tem a ver com o corpo da notícia. Por favor PAREM de fazer isto, pois em nada contribui para melhorar a literacia economico-financeira dos Portugueses.

Então porquê? Nada podemos inferir sobre o rendimento (líquido, i.e. depois de impostos) do trabalho a partir de informação sobre o custo de cada hora trabalhada. Então não são iguais? NÃO! O rendimento que interessa ao trabalhador é o seu salário bruto (nominal e antes de IRS e de contribuições que o empregado paga à Segurança Social) devidamente descontado de TODOS os impostos, incluindo também a inflação porque esta implica uma perda de poder de compra.

Quanto aos custos (o objecto de análise no corpo da notícia), os dados do Eurostat referem-se a quanto custa ao empregador uma hora de trabalho. Este valor é calculado como o salário nominal bruto, acrescido das contribuições PATRONAIS para a Segurança Social. Como se vê custo nada tem a ver com rendimento!

Reparem que a estatística hoje divulgada é quanto CUSTA ao empregador uma hora de trabalho (em média) – isto inclui o salário bruto e as contribuições patronais para a Segurança Social. Logo, uma hora de trabalho custa 12.10€ em Portugal e custa 31.1€ na Holanda (2.57 vezes mais). Basta que a produtividade e ou o valor criado em cada hora seja mais que 2.57 vezes na Holanda do que em Portugal para que VALHA MAIS A PENA ABRIR UMA FÁBRICA LÁ DO QUE CÁ. Vale a pena pensar nisto da próxima vez que vierem com “precisamos de baixo custo por cada hora para atrair investimento directo estrangeiro”.

O nosso rendimento do trabalho é baixo quando comparado com outros países da Europa? É. Para determinar quanto mais baixo é, teríamos que ir encontrar dados da OCDE sobre o tax wedge, e depois levar em conta o facto do custo de vida ser diferente em cada país europeu (algo que os economistas chamam de correcção de paridades de poder de compra). E por que é que é mais baixo? Porque o valor do que produzimos em cada hora de trabalho é mais baixo. E por que razão é assim? Porque temos menos capital humano (em média não somos tão qualificados quanto os nossos parceiros europeus), temos menos capital físico (temos menos máquinas e menos equipamentos com que trabalhar), temos pior gestão (pública e privada), … e mais um rol de factores que já conhecemos bem.

Se quisermos ganhar mais por cada hora trabalhada (quem não quer?) temos de trabalhar melhor e não trabalhar mais. Temos de ser mais produtivos e pensar que o mais importante é produzir algo que tenha cada vez mais valor para quem nos compra o que fazemos (lembrem-se da importância do design como valor acrescentado?). Sem isto estaremos condenados ano após ano a olhar para as estatísticas do Eurostat com raiva, ainda por cima com títulos que enganam e que nada têm a ver com os dados divulgados.

Sejamos exigentes!

Em adenda: O Diário Económico alterou depois o título da notícia para “Custo do trabalho em Portugal é três vezes menor do que em França”. Obrigado! 🙂

Anúncios

Sobre Pedro G. Rodrigues

Professor no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa, doutorado em economia pela Universidade Nova de Lisboa. Email: pgr.economist@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Miscelâneo com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s