A grande divergência

Taxas-emprego-OCDE

Usando dados sobre taxas de emprego da OCDE (clique aqui para o ficheiro Stata) construí esta figura. Recordo que a taxa de emprego, neste caso, é o rácio entre o número de empregados e a população com idades compreendidas entre os 15 e os 64 anos.

Há várias conclusões interessantes:

* Reparem no progresso da Alemanha desde 2005 que conseguiu em oito anos uma taxa de emprego próxima da Suécia e do Canadá.

* Os países nórdicos caracterizam-se por elevadas taxas de emprego, que são importantes também para sustentar o regime de Estado Providência que têm.

* O desempenho do PIGS (Portugal, Itália, Grécia e Espanha) no período de 2005 a 2013 é muito preocupante, em particular os casos de Portugal e da Grécia.

Anúncios

Sobre Pedro G. Rodrigues

Professor no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa, doutorado em economia pela Universidade Nova de Lisboa. Email: pgr.economist@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Crescimento económico, Emprego. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s