O que sabe a OCDE que nós desconhecemos?

E se eu lhe dissesse que na década de 2030 a economia portuguesa crescerá mais depressa que a economia brasileira e vai atingir taxas de crescimento próximas dos 3% ao ano, acreditaria? Pois é precisamente esta a projecção da OCDE que saiu no Economic Outlook n.º 95 tornado público em Maio deste ano. (Clique nas figuras para aceder aos dados da OECD.)

oecd60-ggdp

Se estas projecções estiverem certas, a retoma que se espera para os próximos dois anos terá uma duração curta, seguir-se-á uma desaceleração suave da actividade económica, e depois a partir de 2022 sensivelmente, Portugal iniciará a sua marcha até atingir um crescimento económico real de quase 3% por ano. Nos últimos anos de um período dourado, i.e. à medida que nos aproximamos de 2035, seremos mesmo a economia que mais depressa cresce no grupo de países que inclui a Espanha, a Alemanha, os Estados Unidos e até (imagine-se!) o Brasil. É caso para perguntar: “O que é que a OCDE sobre a economia portuguesa que nós ainda não sabemos?”.

Como a OCDE não apresenta apenas as projecções de longo prazo para a evolução do PIB, mas disponibiliza também (como é o seu apanágio) a evolução que projecta para as outras variáveis macroeconómicas, vale a pena analisar rapidamente as grandes tendências.

oecd60-def

Em termos do saldo orçamental expresso em percentagem do PIB, devemos atingir o equilíbrio (défice orçamental nulo) por volta de 2017. Com a população portuguesa a envelhecer e antecipando o aumento da despesa pública com pensões, saúde, e cuidados a idosos, a OCDE projecta um saldo orçamental de 6% do PIB. Bem fala o Sr. Presidente da República na necessidade de compromissos alargados e estáveis ao longo do tempo. Será interessante convencer os vários agentes políticos que não há folga orçamental porque temos que poupar para poder pagar a factura do envelhecimento que advém do Estado Social que temos. A própria OCDE projecta para Portugal uma despesa com saúde que pode, no pior cenário, atingir os 13% do PIB, o que colocaria Portugal no 4.º lugar entre os países que mais gastam em saúde em percentagem do PIB, depois da Alemanha, França e dos Estados Unidos.

oecd60-pdHavendo equilíbrio orçamental e depois excedentes orçamentais (défices orçamentais negativos, se quiser pensar assim), o rácio de dívida pública no PIB deverá começar a inverter a sua tendência de subida já em 2016, sendo que descerá rapidamente até aos 60% por volta de 2030.

oecd60-caFinalmente, é interessante também ver o que a OCDE projecta em termos da evolução das contas externas.

Oxalá se concretize este cenário para Portugal. Seria uma boa recompensa pelo esforço de todos os Portugueses.

Mesmo a propósito, antevendo que fará 100 anos em 2060, a OECD acaba de lançar um site dedicado a discutir os desafios da política económica para os próximos 50 anos.

Anúncios

Sobre Pedro G. Rodrigues

Professor no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa, doutorado em economia pela Universidade Nova de Lisboa. Email: pgr.economist@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Crescimento económico, Crise financeira, Dívida, Envelhecimento da população. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s