Os economistas e as prendinhas de Natal (e não só!)

gift_crop380w

No Natal de 2011 falei na destruição de valor (carga excedente, ou deadweight loss, em economês) que muitas vezes está associada às prendinhas que, por costume, se dão nesta altura do ano. Revejam aqui os argumentos que normalmente são citados. Quem é que nunca recebeu de prenda algo como umas lindas chinelas fluorescentes ou uma camisola horrível que valorizamos bem menos do que o montante que alguém deu por elas? 🙂

Num artigo muito interessante da autoria de Josh Barro (filho do professor de economia de Harvard, Robert Barro) que apareceu recentemente no jornal New York Times, pergunta-se como é que os economistas que ainda dão prendinhas racionalizam o seu comportamento. Afinal, numa lógica de preferência revelada, se as pessoas (incluindo os economistas) continuam a dar prendinhas, deve ser porque isso lhes dá algum bem estar, não?

Leiam o artigo e digam-me o que acham?

Eu por mim, não fiquei muito convencido. Afinal, ninguém melhor que eu conhece as minhas preferências. 🙂

Ah, e por fim, Ho Ho Ho!!! Feliz Natal a todos e todas que leram este blog ao longo do ano que rapidamente chega ao fim. 🙂 O meu sincero muito obrigado pelo vosso apoio e interesse.

Anúncios

Sobre Pedro G. Rodrigues

Professor no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa, doutorado em economia pela Universidade Nova de Lisboa. Email: pgr.economist@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Miscelâneo. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s