Como lucrar com a política monetária não convencional?

Para quem segue as decisões dos bancos centrais, o termo Quantitative Easing já não é novidade. Trata-se de um instrumento não convencional da política monetária, usada quando as taxas de juro nominais se encontram em níveis muito baixas, a zero, ou mesmo em níveis negativos. O objectivo é estimular uma economia débil que corre riscos de deflação.

Mas como? O banco central compra activos (obrigações do Estado, mas não só) com nova moeda que cria digitalmente, sendo que o balanço do mesmo vai crescendo.

Num artigo que terminei há dias, intitulado “A Política Monetária Não Convencional Como Indicador Avançado das Cotações Cambiais”, disponível aqui em versão [PDF], mostro como foi possível obter mais valias, transaccionando as principais divisas umas contra as outras, usando um algoritmo que ajuda a escolher entre duas estratégias de negociação cambial. O algoritmo usa informação sobre o ritmo ao qual os bancos centrais estão a comprar (ou estão a desfazer-se dos) activos.

Mas estes resultados não são só de interesse arqueológico neste momento em que a crise financeira já terminou? Não. Simplesmente porque o tamanho dos balanços dos bancos centrais entretanto cresceu — colossalmente — e o que se segue é um processo de normalização da política monetária (vendendo ao mercado os activos comprados e dependendo cada vez mais de instrumentos convencionais como a redução da taxa de juro para estimular as economias em tempos de recessão). Logo, com vista às tais mais-valias de uma negociação cambial, parece muito provável que a estratégia que funcionou na fase de acumulação seja também útil na prolongada fase de desacumulação de activos, até porque os bancos centrais agem a ritmos diferenciados. Veja-se o caso da Reserva Federal que já iniciou a desacumulação há vários trimestres, enquanto o BCE vai começar só em 2019. Assim, não é difícil entender o porquê de um dólar forte.

Anúncios
Publicado em Crise financeira, Deflação, Mercados financeiros, Política monetária | Publicar um comentário

Mais infra-estruturas de saúde ajudam a economia (mas só a prazo)

Vejam este artigo de opinião no Público de hoje, da autoria de Alfredo Marvão Pereira, com quem escrevi recentemente um artigo de investigação (em co-autoria também com Rui Marvão Pereira) [ver PDF] sobre o impacto económico (a nível agregado e sectorial) de mais investimento em infra-estruturas  de saúde.

Os efeitos dinâmicos não são triviais, pois conclui-se que um projecto de investimento em infra-estruturas de saúde não deve integrar um pacote de estímulo à economia porque os efeitos a curto prazo (à excepção do investimento) são negativos. Apesar disso, os efeitos a prazo são positivos e maiores que os efeitos de impacto. Logo, mais infra-estruturas de saúde ajudam ao desempenho da economia, mas só a prazo. Não são um instrumento contra-cíclico para moderar os efeitos de uma recessão.

Publicado em Crescimento económico, Finanças públicas, Investimento, Investimento público, Orçamento do Estado | Publicar um comentário

1.24

É o valor que prevejo que o euro atinja face ao dólar, em meados de Janeiro de 2018.

Depois cairá.

Publicado em Miscelâneo | Publicar um comentário

O desafio para os próximos tempos …

startup_trends

Nem toda a actividade económica é crescimento económico, mas todo o crescimento económico é actividade económica. O crédito nem é bom nem é mau … depende do que se faz com ele. E sempre que o valor que se gera (em valores descontados para o presente) não chega para pagar a dívida que se contraiu, foi um erro. Há que olhar para a COMPOSIÇÃO quer do PIB quer da redução do défice. Por exemplo, quando o “driver” é mais o consumo privado do que o investimento, isso pode ser sinal que o valor criado é insuficiente. Mas nisto tudo, o que os anos mais recentes nos ensinaram, é que não basta o raciocínio económico (por melhor que seja) – é necessário preservar um equilíbrio político. Encontrar um caminho com “paz social” em que também se fazem as reformas necessárias para modernizar o País, esse é o desafio para os próximos anos, não só em Portugal.

Feliz Natal! 🙂

Publicado em Crescimento económico, Desenvolvimento sustentável | Publicar um comentário

Segurança Social em Portugal: Sustentável até quando?

Disponibilizo aqui em PDF a apresentação que fiz ontem na Fundação Calouste Gulbenkian, no âmbito da Conferência “Orçamento do Estado 2017 – Saúde e Segurança Social – Para Onde Vamos?”, organizado pela Cidadania Social e pela Ordem dos Economistas, onde mostrei que me parece haver uma dúvida bastante razoável se a Segurança Social em Portugal pode continuar para lá dos anos 2020 sem mais uma reforma. Relembro que a posição oficial do Governo nesta matéria é que o Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS) apenas se esgota em 2043.

Está em curso a elaboração do artigo que apresenta estes resultados e explica como foram obtidos. Contamos poder disponibilizá-lo aqui até ao final de 2016.
sss-gulbenkian

Publicado em Finanças públicas, Pensões, Previsões, Reforma do Estado, Segurança Social | Publicar um comentário

Aprenda Chinês … gratuitamente

Quer aprender Chinês gratuitamente. Veja este link.

Não só verá que faz muito mais sentido que as línguas ocidentais, como será bem divertido! O pior mesmo é aprender a escrever. 🙂

Publicado em Miscelâneo | Publicar um comentário

Futuro da Segurança Social … na Gulbenkian

pension-moneyNo âmbito da Conferência “Orçamento do Estado 2017 – Saúde e Segurança Social – Para Onde Vamos?”, fui convidado pela Ordem dos Economistas e pela Cidadania Social para integrar um painel que discutirá no próximo dia 28 de Outubro (Sexta-feira) o futuro da Segurança Social em Portugal. O evento será de manhã e realizar-se-á no Auditório 3 da Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa. Poderão consultar o programa neste link.

A entrada é gratuita. Basta realizarem a vossa inscrição neste link.

Publicado em Finanças públicas, Orçamento do Estado, Pensões, Poupança | Publicar um comentário